segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

MAIS CRESCIMENTO À VISTA

Com a decisão de dar 6% de ganho real que elevou o salário mínimo a R$ 510,00, o presidente Lula colocou mais lenha na locomotiva no nosso crescimento. Isto, associado a um orçamento que prevê R$ 7 bilhões em investimentos via PAC, nos prenuncia um ano de muitas realizações, mais empregos e grandes oportunidades.

domingo, 27 de dezembro de 2009

FELIZ ANO NOVO

Nos aproximando do final do ano, é obrigatório reconhecer como fomos capazes de superar um 2009 que iniciou com incertezas decorrentes do impacto da crise financeira internacional sobre a cidade, a região e o país. Pois bem, não é que o presidente Lula tinha razão ao afirmar que o tsunami mundial por aqui teria o efeito de uma marolinha?!
O mundo reconheceu que as medidas ousadas e inéditas adotadas pelo Governo Federal, foram responsáveis pelo Brasil ter saído mais forte do que nela entrou. Sem falar no Pré-Sal, Copa do Mundo e Olimpíadas, que nos encheram de orgulho e segurança quanto à sustentação de um país mais potente e com menos desigualdade social.
Por aqui, nosso prefeito Oswaldo Barba também mostrou como é possível fazer avançar competentemente o nosso governo democrático e popular, enfrentando as dificuldades derivadas da crise e fazendo ir mais além com nosso projeto.
Desejo votos de um Ano Novo repleto de paz, amor e realizações a todos os sãocarlenses e amigos da região!

SANTO NATAL

Para nós cristãos, o Natal é sempre um momento especial para uma reflexão mais profunda sobre o significado da vida e o rumo que estamos dando para ela. Afinal, Deus escolheu o dia 25 de dezembro para fazer nascer do ventre da Virgem Maria aquele que veio ao mundo para nos guiar na direção da fé em seu Pai e dos valores do relacionamento humano, fraterno e solidário.
No evangelho, encontramos uma imensidão de passagens em que Jesus Cristo dá exemplos nesse sentido e que podem ser resumidos na sua tão conhecida pregação - “Amai ao próximo como a ti mesmo!”. Muito conhecida mas, infelizmente, pouco praticada. O que se vê multiplicar é o egoísmo, a intolerância, o preconceito, a ambição desmedida e a violência sem limites. Por isso, quando alguns constroem suas vidas à luz das orientações do Nosso Senhor, sobressaem-se porque são capazes de se desprender e ajudar aos que mais necessitam. É esse precisamente o caso do padre Agnaldo. Nos 18 anos em que militou em São Carlos à frente da causa dos direitos das crianças e dos adolescentes, ele, sob a interceção de Dom Bosco, deixou sua marca de pastor e educador.
Repito o que escrevi nessa coluna recentemente. Sem o trabalho dos Salesianos, coordenado pelo padre Agnaldo, São Carlos não se transformaria em referência nacional em políticas para a juventude. Como qualquer despedida de um ente querido, confesso que está sendo muito doloroso para mim ver partir o amigo, conselheiro espiritual e gestor consagrado, conduzido pelos Salesianos para uma nova missão, agora em Pindamonhangaba. Como eu e minha esposa Ana pudemos expressar na singela homenagem que lhes prestamos na missa de domingo passado, parte o “Pai e Mestre da Juventude Sãocarlense”, mas estará sempre presente em nossos corações e nos anais da história da cidade.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

UMA ESCAPADA ATÉ AMÉRICO BRASILIENSE


Aproveitando a visita de hoje a dois veículos de imprensa de Araraquara, deu um pulinho na vizinha Américo Brasiliense pra poder por o papo em dia com o prefeito Ademir Gouvêa, companheiro do PT que faz um belo trabalho na administração dessa bela cidade da nossa região. Gouvêa me recebeu gentilmente em seu gabinete (foto acima), onde conversamos sobretudo sobre política regional.

VISITAS A VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO DE SÃO CARLOS E ARARAQUARA

Aproveitei estes dias que antecedem o Natal pra visitar rádios, jornais e TV's, onde puder rever amigos e acima de tudo profissionais de comunicação do mais alto gabarito e que levam informações com qualidade e credibilidade para a nossa região e o país.

Eu e Carlinhos Lima na Clube AM de São Carlos na manhã de ontem

Eu e Marcos Schmidt na Record News em Araraquara na manhã de hoje

Eu e Baby Soares na Cultura AM/FM de Araraquara no início da tarde de hoje

SHOW COM VANESSA DA MATA... EU FUI!


Junto com minha esposa Ana e meu filho Eduardo, curti na noite passada na praça do Mercado Municipal de São Carlos, show com a cantora Vanessa da Mata. Mais de 20 mil pessoas prestigiaram o talento de Vanessa no espetáculo de Natal promovido pela prefeitura. Ela, com grande simpatia, nos recebeu por instantes em seu camarim, onde tiramos a foto acima.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

PADRE AGNALDO: ATÉ BREVE AMIGO!

Barba, Ana e eu junto ao padre Agnaldo na missa de ontem no Educandário de São Carlos

Ontem estive presente à missa que marcou a despedida do padre Agnaldo Soares de Lima de São Carlos, onde ele, durante os últimos 18 anos de sua vida, dedicou-se integralmente a cuidar das nossas crianças e adolescentes através da obra salesiana local. Sinto-me privilegiado por ter compartilhado com ele tantas experiências, lutas e trabalhos vitoriosos. Felizes os moradores do Vale do Paraíba e da cidade de Pindamonhangaba que contarão a partir de agora com tão especial figura humana. Ao amigo e guia espiritual um até breve!

MCT APROVA R$ 450 MIL PARA O PROJETO “VIVA O BROA”

Da esq. p/ à dir.: Emiliano (São Carlos), eu, Janete (São Carlos), Júlio (Brotas), Daniel (Itirapina) e Mônica (Brotas), durante a reunião na tarde de hoje da Comissão Executiva do projeto "Viva o Broa"

O projeto “Viva o Broa” fecha o ano de 2009 com um balanço altamente positivo. O projeto acaba de ter aprovado pelo Ministério da Ciência & Tecnologia (MCT) recursos da ordem de R$ 450 mil para um sub-programa que prevê, entre outras ações, a formação de educadores ambientais e atividades de pesquisa e monitoramento na represa do Broa.
Na tarde de hoje (21) foi realizada no Centro Integrado de Turismo (CIT) encontro da Comissão Executiva do “Viva o Broa”, projeto que tenho a honra de coordenar. Esta comissão reúne também os membros indicados pelos prefeitos de São Carlos, Brotas e Itirapina - as cidades envolvidas no projeto. Fizemos uma avaliação das ações de 2009, além de acertarmos uma agenda de trabalho para o início do próximo ano. Esses recursos do MCT serão liberados em duas etapas, sendo uma até o final deste mês e a outra em 2010.
As ações que serão desenvolvidas com os recursos do MCT visam a minimização dos impactos ambientais na Represa do Broa e nas bacias hidrográficas do Ribeirão do Lobo, Córrego do Itaqueri e Córrego do Feijão, principais fontes formadoras do reservatório.
O projeto Viva o Broa já havia recebido R$ 1 milhão, valor anunciado em agosto passado pelo ministro do Turismo, Luiz Barretto, para obras de saneamento básico junto à orla do balneário no município de Itirapina.
Outra novidade que deve se concretizar com este novo investimento do Governo Federal é a implantação de uma estação flutuante no Broa para monitoramento e emissão de dados climatológicos e também da qualidade da água do reservatório. Segundo a pesquisadora Janete Brigante, integrante da comissão executiva do projeto, com isso passaremos a contar com estas informações, que nos serão transmitidas da estação em tempo real.
Avançamos muito em 2009 desde a criação do projeto. Ele é estratégico não só para a minimização dos problemas sócio-ambientais, como também para estabelecermos novas formas de uso dos recursos naturais que favoreçam o desenvolvimento regional pautado na sustentabilidade ambiental.
No final da primeira quinzena de janeiro de 2010 haverá novo encontro dos prefeitos Oswaldo Barba (São Carlos), Omar de Oliveira Leite (Itirapina) e Antônio Benedito Salla (Brotas), que conhecerão o andamento das ações vinculadas ao “Viva o Broa”, através de explanações que farei juntamente com os renomados pesquisadores José Galízia Tundisi (Instituto Internacional de Ecologia) e José Roberto Campos (Departamento de Hidráulica e Saneamento da USP / São Carlos).

domingo, 20 de dezembro de 2009

COMBATE À CORRUPÇÃO JÁ!

O projeto de lei encaminhado pelo presidente Lula na semana retrasada ao Congresso, classificando corrupção e peculato como crimes hediondos e inafiançáveis, embora insuficiente, é uma luz no fim do túnel das trevas em que a política brasileira se encontra do ponto de vista da moralidade.
É positiva porque é uma resposta concreta ao clamor da sociedade cada vez mais desacreditada da classe política em função da sucessão de escândalos que envolveram, indistintamente, todos os principais partidos políticos.
É insuficiente porque somente ampliar a pena pode não inibir a prática da corrupção. Outras medidas complementares são necessárias, nos campos criminal e eleitoral, para enfrentar tão nocivo problema.
No criminal, urgem mudanças legais que dêem celeridade ao rito processual, sem comprometer o sagrado direito de defesa e o princípio da presunção da inocência.
Na área eleitoral, pra começar, é preciso que candidatos inescrupulosos sejam afastados do pleito quando condenados por tribunais colegiados. A iniciativa da CNBB, que vem coletando milhares de assinaturas contra os chamados “ficha suja” é meritória. Cabe ao Congresso pautar imediatamente essa iniciativa popular, avaliar a proposição à luz dos preceitos constitucionais e aperfeiçoar seu conteúdo de modo que medidas legais saneadoras possam ser promulgadas ainda antes das convenções partidárias de meados no ano que vem. Será uma oportunidade de ouro para os atuais deputados e senadores se redimirem do fiasco das pífias “reformas políticas” votadas nesta legislatura.
Considerando-se, no entanto, que a corrupção está intimamente ligada às campanhas eleitorais, é inegável que somente uma reforma política que transforme a realidade do financiamento poderá atacá-la frontalmente. E é exatamente porque os atuais parlamentares não se dispuseram a fazê-la que se torna imprescindível a realização de uma Constituinte exclusiva, convocada pela sociedade por meio de um plebiscito.
Nesse sentido, o PPS recentemente protocolou projeto de lei pelas mãos do deputado pernambucano Raul Jungmann. Na mesma linha, o Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores decidiu pautar no seu congresso nacional a ser realizado em fevereiro, a proposta de plebiscito sobre a Constituinte exclusiva da reforma política já em 2010.
Oxalá o plebiscito seja aprovado. Estamos fartos de nos indignarmos. Só a pressão da sociedade será capaz de dar uma basta à corrupção.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

CRESCIMENTO SUSTENTADO


De acordo com dados do IBGE divulgados nesta semana sobre a riqueza produzida em 2007 pelos municípios brasileiros, o PIB de São Carlos cresceu 12% em relação a 2006. Isso significa um crescimento três vezes maior que a média da nossa região que, por conta do baixo resultado da agroindústria, aumentou sua riqueza em apenas 4%. Em comparação a 2002, o PIB de São Carlos ampliou-se em 43%. Somando-se esse ótimo desempenho econômico aos excepcionais indicadores sociais já divulgados, temos como resultado uma cidade que se constrói com desenvolvimento sustentado e cidadania.

PARABÉNS DBC FM

Dr. Antônio Walter Frujuelli e eu na manhã de hoje no estúdio da rádio DBC FM

Hoje pela manhã fui entrevistado no Jornal da DBC FM, que em 106,3 MHz leva em todas as manhãs informação com qualidade e credibilidade aos ouvintes de São Carlos e de toda a região central do estado de São Paulo. Na figura do Dr. Antônio Walter Frujuelli, empresário, radialista e jornalista, parabenizo a equipe da "Rádio Carinho, Rádio Amor" pelos 19 anos de sucesso e que foram comemorados com um grande show no último domingo (13/12), com a presença de 30 mil pessoas. Sucesso para toda a família DBC!

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

TRÍPLICE COROA

Emocionado com a homenagem que os Salesianos me prestaram por ocasião da missa de recepção na catedral da urna-relíquia de São João Bosco, pude publicamente destacar as três dimensões da ação do meu padroeiro sobre minha vida. A primeira, de ordem espiritual, intercedendo na minha formação cristã. A segunda, no plano educacional, construindo, no Liceu
Coração de Jesus, em São Paulo, os alicerces da minha formação profissional. A terceira, na conformação dos valores éticos e morais e dos princípios da fraternidade e da solidariedade humana, que me regem como cidadão e homem público.

Iluminado por Dom Bosco e influenciado por seus ideais, pude construir, como professor e reitor da UFSCar e prefeito de São Carlos, uma vida priorizada para as causas da educação e da juventude.

A divulgação nas últimas semanas, de menções e prêmios que notabilizam as políticas públicas para as crianças e os adolescentes postas em prática pelo nosso governo a partir de 2001, na oportunidade em que São Carlos recebe a visita do santo, não pode ser considerada mera
coincidência. São, antes e acima de tudo, bênçãos explícitas daquele a quem o Santíssimo Papa João Paulo II proclamou como “Pai e Mestre da Juventude”.

Se não vejamos. Quando a urna-relíquia chegou ao Brasil, é dado ciência pública de que a Fundação Seade, mais uma vez, constata que o nosso município ostenta a menor mortalidade infantil dentre as cidades médias e grandes do Estado de São Paulo. Tão logo a urna chegou ao nosso Estado, o Fórum Nacional de Segurança Pública e o Ministério da Justiça divulgam extenso estudo que coloca São Carlos como campeã brasileira de proteção juvenil. E poucas horas antes das relíquias de Dom Bosco adentrarem à cidade, na manhã da última quinta-feira, o presidente Lula nos entregava, a mim e ao prefeito Oswaldo Barba, em Brasília, o Prêmio Gestor Eficiente da Merenda Escolar conferido pela OSCIP “Ação Fome Zero”. Parece inacreditável. Mas, para quem crê em Deus, esses fatos revelam-se como abençoados por Dom Bosco.

Não é demais destacar, como também o fiz ao final da celebração, que dentre todos os colaboradores da prefeitura, a obra social dos Salesianos teve um papel e um brilho diferenciados. Sob comando e o carisma do padre Agnaldo Soares de Lima, a ordem contribui
destacadamente na construção da rede de proteção e promoção da juventude sãocarlense. Por isso, os Salesianos de São Carlos merecem todas as nossas homenagens, nosso reconhecimento e nossa gratidão.

Reconhecimento e gratidão que, peço licença aos leitores, não posso deixar de manifestar também aos meus pais. Afinal, se o seu Alcindo e a dona Marizete não tivessem, superando dificuldades financeiras, me matriculado no Liceu, é certo que hoje eu não estaria louvando Dom Bosco e comemorando, com meus concidadãos, a tríplice coroa na permanente luta em defesa dos direitos das nossas crianças e adolescentes.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

O MUNDO RECONHECE LULA


Mais uma vez um grande veículo de imprensa internacional e um comandante de um país importante no cenário global reverenciam nosso líder, o presidente Luiz Ignácio Lula da Silva. Desta vez foram o jornal El País, principal diário mundial em língua espanhola e o primeiro-ministro José Luís Rodríguez Zapatero. O diário madrilenho elegeu Lula a personalidade do ano. Faço questão de reproduzir abaixo o texto original do artigo de Zapatero publicado ontem na versão on line do El País. Esta é a imagem do Brasil no mundo hoje, grande parte dela construída nos últimos sete anos com o prestígio do nosso presidente. Boa leitura a todos!


EL HOMBRE QUE ASSOMBRA AL MUNDO

El presidente de Brasil se ha convertido en el líder indiscutible de América Latina y una referencia para todos los políticos. Brasil ha pagado este año toda su deuda, crece a buen ritmo y se ha llevado los Juegos de 2016

Este es un hombre cabal y tenaz, por el que siento una profunda admiración. Lo conocí en septiembre de 2004, tras la incorporación de España a la Alianza contra el Hambre que él lideraba, en una cumbre organizada por Naciones Unidas en Nueva York. No podía haber sido mejor la ocasión.

Luiz Inácio Lula da Silva es el séptimo de los ocho hijos de una pareja de labradores analfabetos, que vivieron el hambre y la miseria en la zona más pobre del Estado brasileño nororiental de Pernambuco.

Tuvo que simultanear sus estudios con el desempeño de los más variopintos trabajos y se vio obligado a dejar la escuela, con tan sólo 14 años, para trabajar en la planta de una empresa siderometalúrgica dedicada a la producción de tornillos. En 1968, en plena dictadura militar, dio un paso que marcó su vida: afiliarse al Sindicato de Metalúrgicos de São Bernardo do Campo y Diadema.

De la mano de este hombre, siguiendo el sendero abierto por su predecesor en la Presidencia, Fernando Henrique Cardoso, Brasil, en apenas 16 años, ha dejado de ser el país de un futuro que nunca llegaba para convertirse en una formidable realidad, con un brillante porvenir y una proyección global y regional cada vez más relevante. Por fin, el mundo se ha dado cuenta de que Brasil es muchísimo más que carnaval, fútbol y playas. Es uno de los países emergentes que cuenta con una democracia consolidada, y está llamado a desempeñar en las décadas siguientes un creciente liderazgo político y económico en el mundo, tal y como ya viene haciendo en América Latina con notable acierto.

Lula tiene el inmenso mérito de haber unido a la sociedad brasileña en torno a una reforma tan ambiciosa como tranquila. Está sabiendo, sobre todo, afrontar, con determinación y eficacia, los retos de la desigualdad, la pobreza y la violencia, que tanto han lastrado la historia reciente del país. Como consecuencia de ello, su liderazgo goza hoy en Brasil del respaldo y del aprecio mayoritarios, pero mucho más importante aún es la irreversible aceptación social de que todos los brasileños tienen derecho a la dignidad y la autoestima, por medio del trabajo, la educación y la salud.

Superando adversidades de todo orden, Lula ha recorrido con éxito ese largo y difícil camino que va desde el interés particular, en defensa de los derechos sindicales de los trabajadores, al interés general del país más poblado y extenso del continente suramericano. Sin dejar de ser Lula, en esa larga marcha ha conseguido, además, ilusionar a muchos millones de sus conciudadanos, en especial aquellos más humillados y ofendidos por el azote secular de la miseria, proporcionándoles los medios materiales para empezar a escapar de las secuelas de ese círculo vicioso.

Al mismo tiempo, en los siete años de su presidencia, Brasil se ha ganado la confianza de los mercados financieros internacionales, que valoran la solvencia de su gestión, la capacidad creciente de atraer inversiones directas, como las efectuadas por varias compañías españolas, y el rigor con que ha gestionado las cuentas públicas. El resultado es una economía que crece a un ritmo del 5% anual, que ha resistido los embates de la recesión mundial y está saliendo más fortalecida de la crisis.

Tras convertirse en el presidente que accedía al cargo con un mayor respaldo electoral, en su cuarto intento por lograrlo, Lula manifestó que es inaceptable un orden económico en el que pocos pueden comer cinco veces al día y muchos quedan sin saber si lograrán comer al menos una. Y apostilló: "Si al final de mi mandato los brasileños pueden desayunar, almorzar y cenar cada día, entonces habré realizado la misión de mi vida".

En ese empeño sigue este hombre honesto, íntegro, voluntarioso y admirable, convertido en una referencia inexcusable para la izquierda del continente americano al sur de Río Grande. Tiene una visión del socialismo democrático que pone el acento en la inclusión social y en la justicia medioambiental para hacer posible una sociedad más justa, decente, fraterna y solidaria.

Brasil ocupará pronto un lugar en el Consejo de Seguridad de Naciones Unidas, está a punto de convertirse en toda una potencia energética y en 2014 albergará el Campeonato Mundial de Fútbol. Cuando nos vimos en octubre en Copenhague, Lula lloraba de felicidad, como un niño grande, porque Río de Janeiro acababa de ser elegida ciudad organizadora de los Juegos Olímpicos de 2016. La euforia que le inundaba no le impidió tener el temple necesario para venir a consolarme porque Madrid no había sido elegida y fundirnos en un abrazo.

A mí no me extraña nada que este hombre asombre al mundo.

* José Luis Rodríguez Zapatero es presidente del Gobierno español.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

PRÉDIO DO NAI LEVARÁ O NOME DE DOM BOSCO


Após a missa em homenagem a Dom Bosco, realizada na Catedral de São Carlos na tarde desta quinta-feira (10) , onde tive a oportunidade de expressar toda a minha emoção pelo microfone, o prefeito Oswaldo Barba sancionou a lei que dá nome de “Dom Bosco” às futuras instalações do prédio onde funcionará o Núcleo de Atendimento Integrado (NAI) na Vila Marina.


Na manhã de hoje, muita gente esteve nos Salesianos para recepcionar a relíquia do santo católico Dom Bosco. Representantes da comunidade e dos Salesianos, dirigido pelo padre Agnaldo Soares de Lima, fizeram uma grande festa para comemorar a chegada da relíquia, que contém uma escultura do santo, uma réplica do seu corpo incorrupto que repousa na Basílica Maria Auxiliadora, em Turim, na Itália. Também no relicário está a mão direita e o antebraço de Dom Bosco. A relíquia percorreu as principais ruas da cidade, seguida por vários ônibus com fiéis e crianças de São Carlos e região.

O prefeito Barba destacou o trabalho educacional com os jovens realizado por Dom Bosco, conhecido como apóstolo da juventude. A peregrinação da relíquia do santo começou em junho na Itália e faz parte das celebrações pelo bicentenário do nascimento de Dom Bosco, que será comemorado em 2015.

A urna vai passar por 132 países onde existe a presença dos 16 mil salesianos que fazem parte da Congregação que tem como patrono São Francisco de Sales. A instituição fundada por Dom Bosco inclui ainda escolas, faculdades e diversas obras sociais.

UM DIA ESPECIAL PARA NÓS SALESIANOS

Dom Bosco

Hoje será um data marcante e que a família salesiana de São Carlos e região certamente não irá se esquecer. A cidade terá a honra de receber daqui a pouco próximo ao horário do almoço a urna com as relíquias de nosso inspirador, Dom Bosco. Após a chegada da mesma no Educandário São Carlos, ela segue para uma missa no período da tarde na Catedral, onde estarei presente. São poucas as cidades brasileiras que receberão a urna.

Em 2009, a Congregação dos Salesianos comemora 150 anos de fundação. Ao criar em 1859 a Sociedade Salesiana de São Francisco de Sales, Dom Bosco plantou a semente do que se tornaria uma árvore frondosa. A educação salesiana atua através do chamado sistema preventivo, que se apóia nos pilares da razão, da religião e do carinho. Este método busca educar nossos jovens utilizando as forças positivas que se encontram em todo ser humano, evitando assim recorrer aos castigos, destacando as atitudes de gratidão e iniciativa. Com essa prática, cada casa salesiana espalhada pelo mundo se transforma em um lar que acolhe, escola que educa para a vida, paróquia que evangeliza e pátio onde se os amigos se encontram.

Declarado santo em abril de 1934 pelo papa PIO XI, Dom Bosco foi proclamado "Pai e Mestre da Juventude" pelo papa João Paulo II. Em 2015, comemoraremos o bicentenário de seu nascimento. Destaco aqui uma de suas frases que muito me emociona: "Prometi a Deus que até meu último suspiro será para os meus pobres jovens". Quero, na figura do padre Agnaldo Soares de Lima, responsável pela obra salesiana em São Carlos, cumprimentar a todos aqueles que direta e indiretamente cuidam com muito amor de nossos jovens.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

LULA PREMIA MERENDA DE SÃO CARLOS

Barba, Lula e eu durante a premiação da merenda de São Carlos
(Foto: Brito Jr./FNP)

São Carlos ganhou hoje pela manhã o Prêmio Gestor Eficiente da Merenda Escolar na categoria Desenvolvimento Local. O troféu foi entregue pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao prefeito Oswaldo Barba, em solenidade ocorrida em Brasília. O prêmio é uma iniciativa da OSCIP “Ação Fome Zero” que visitou, in loco, os 1.099 municípios inscritos, classificando os 25 melhores.

O Prêmio Gestor Eficiente da Merenda Escolar avalia as boas gestões públicas municipais do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), destacando os prefeitos que realizam gestões criativas e responsáveis no setor, como a garantia de que os recursos públicos do PNAE sejam gastos efetivamente em merenda de qualidade.

O prefeito Barba explica que a Ação Fome Zero representa uma aliança de empresas e empresários comprometidos com o desenvolvimento social sustentável do país. Ele lembrou também que diariamente são elaboradas cerca de 60 mil refeições entre principais e complementares no município de São Carlos.

Como convidado pela OSCIP criadora do prêmio para participar da solenidade, já que parte dos dados avaliados nesta edição do prêmio são de 2008, último ano de minha gestão à frente da Prefeitura de São Carlos, lembro que a partir de 2001 passamos a elaborar um cardápio nutricional rigoroso, substituindo alimentos e introduzindo outros. Já que o tema é alimentação, estamos colhendo o que plantamos lá traz. Isso prova que é necessário que os governos invistam em políticas de estado e não em políticas de governo, afim de que um trabalho exitoso como esse tenha sequência independente de quem governa.

Regina Bortolotti, nossa competente secretária municipal de Agricultura e Abastecimento, destacou que o PNAE é fundamental para suprir as necessidades nutricionais dos alunos durante sua permanência em sala de aula, além de promover a formação de hábitos alimentares saudáveis e, aqui em São Carlos, ele está sendo implantado coletivamente e com o acompanhamento do Conselho de Alimentação Escolar (CAE).

Para o ano de 2009, a Prefeitura de São Carlos, segundo Regina, dispõe de uma verba para merenda escolar de R$ 3,8 milhões, sendo que o Governo Federal repassa R$ 2,1 milhões, o governo do estado de São Paulo R$ 560 mil e a prefeitura complementa com R$ 1,1 milhão. Ao todo são atendidas diariamente 104 unidades de ensino e mais de 36 mil alunos.

Este é mais um reconhecimento nacional ao trabalho sério implantado na gestão pública municipal desde 2001 e que está tendo sequência com muito brilhantismo com o prefeito Barba. E é motivo de orgulho para todos nós sãocarlenses!

EMPRESA DE SÃO CARLOS GANHA O PRÊMIO FINEP 2009

Eu, Jarbas Caiado de Castro Neto (Opto), Sérgio Rezende (ministro C&T) e Luís Fernandes (presidente da Finep)
(Foto: João Luiz Ribeiro/Finep
)


Na tarde de ontem (08/12), mais uma vez a cidade de São Carlos ganhou destaque nacional na área de Ciência, Tecnologia e Inovação (C, T & I). Estive no Itamaraty, em Brasília, na entrega do Prêmio Finep de Inovação 2009, na qualidade de membro do Conselho de Administração da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) do Ministério da Ciência & Tecnologia (MCT).

A Opto Eletrônica, de São Carlos, foi a grande vencedora na categoria Média Empresa. A empresa, comandada pelo Dr. Jarbas de Castro Neto, representa bem todo o potencial do Pólo Tecnológico de São Carlos. Durante o evento, acabei recebendo elogios públicos do ministro Sérgio Rezende pelo trabalho que desenvolvi em São Carlos na área de C,T & I nos últimos 30 anos, seja como professor e reitor da UFSCar ou como prefeito. Rezende lembrou que o meu empenho como gestor público ajudou a consolidar São Carlos na vanguarda do setor tecnológico no país, dando ao município projeção internacional por meio de projetos inovadores para o Brasil, citando ele o exemplo da implantação da Cidade da Energia, que tem no MCT um de seus parceiros no Governo Federal.

Luís Fernandes, presidente da Finep, disse que o Prêmio, desde o início, teve um papel de vanguarda, já que 12 anos atrás, a cultura da inovação ainda não era disseminada. O ministro Sérgio Rezende também leu carta do vice-presidente da República, José Alencar, homenageando os participantes. O ministro afirmou que o momento hoje é "especialmente positivo para o fomento da inovação no país, porque há, mais do que nunca, grande articulação de planos de ação em C, T & I em diversos níveis de poder".

O julgamento dos finalistas ocorreu na segunda-feira passada (7/12), também em Brasília. Durante aquele dia, os finalistas (empresas e instituições) fizeram apresentações de seus projetos a uma equipe de 17 jurados, formada por membros de diversas entidades dos setores empresarial, acadêmico e do Governo Federal, e presidida pelo diretor da área de Administração e Finanças da Finep, Fernando Ribeiro.

Este ano, o Prêmio Finep recebeu 571 inscrições, número que superou as expectativas dos coordenadores. A região Sudeste teve 210 candidatos, aumento real de 256% em relação ao ano passado. Só o estado de São Paulo teve 129 inscritos, o maior número desde a criação do Prêmio, em 1998. Em todas as regiões, os números ultrapassaram os de 2008.

Os vencedores nas etapas regionais e nacional do Prêmio dividirão R$ 29 milhões em financiamentos pré-aprovados pela Finep. Desse total, R$ 9 milhões serão de recursos não reembolsáveis (que não precisam ser devolvidos) e até R$ 20 milhões em recursos reembolsáveis. Os vencedores nacionais de 2009, por categoria, podem ser conferidos no site http://www.finep.gov.br

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

UM DOMINGO PACATO EM ITAQUERI DA SERRA

Eu e o prefeito Dr. Omar de Oliveira Leite (Itirapina) com moradores de Itaqueri

Ontem (domingo), estive na agradável Festa da Padroeira Nossa Senhora da Conceição, realizada em Itaqueri da Serra, distrito de Itirapina, acompanhado do prefeito local, Dr. Omar de Oliveira Leite. Em comemoração ao dia da padroeira Nossa Senhora da Conceição (8 de dezembro), a festa teve quermesse e leilão, onde o dinheiro arrecadado foi revertido à paróquia para melhorias na Capela Nossa Senhora da Conceição. Itaqueri é um lugar tranquilo e hospitaleiro, ótimo pra fugirmos da correria do dia-a-dia e bem pertinho de São Carlos (cerca de 50 km). E, claro, com uma natureza exuberante e preservada, além da simpatia de seus moradores.

PRÉ-SAL NA UNICAMP E NO MUNDO


Em evento realizado pela Unicamp, participei no último dia 4 (sexta-feira) do seminário nacional “Pré-Sal – Um Novo Futuro para os Brasileiros”. Os debates aconteceram durante todo o dia no auditório do Instituto de Economia da universidade e foram divididos em quatro grandes painéis: Criação da Petro-Sal; Capitalização da Petrobras; Compensações Sociais e Ambientais; e Sistema de Partilha (estas últimas duas mesas sob a minha coordenação).

O seminário reuniu alguns dos principais representantes e especialistas no assunto, que puderam explanar e debater o Pré-Sal junto ao público da região metropolitana de Campinas, uma das regiões mais estratégicas e economicamente ativas do Brasil. O encontro foi sediado em um dos mais importantes centros acadêmicos da América Latina, a Unicamp. Estiveram presentes nas quatro mesas debatedoras, representantes de algumas das principais universidades do país, da Petrobras, sociedade civil e parlamentares, formando painéis de debates nos moldes das comissões já existentes no Congresso Nacional. O importante é que as indicações do evento estão sendo encaminhadas ao Senado Federal para colaboração no debate. O objetivo final é proporcionar o amadurecimento contínuo deste desafio que o país começa a enfrentar.

Os debates foram ricos e amplos. Tratamos de pautas como a manutenção ou não da atual Lei do Petróleo; como poderá ser apropriada socialmente a riqueza gerada pelo Pré-Sal; a proposta do novo marco regulatório, que define regras para a exploração e produção de petróleo e gás natural nas áreas do Pré-Sal; qual o papel do Brasil no novo contexto energético mundial; como definir a taxação nessas áreas uma vez que os custos de exploração serão bem maiores; o modelo de sustentabilidade para a extração na camada; cases internacionais que podem servir de paradigma para o Pré-Sal; a criação da nova empresa pública, a Petro-Sal; e a capitalização da Petrobrás para gerir o alto custo da exploração.

E pra reafirmar a importância mundial sobre o tema, o jornal Washington Post publicou reportagem em sua edição de hoje (07/12), onde já coloca o Brasil, devido ao Pré-Sal, como uma nova "Petropotência".

O CINISMO DA OPOSIÇÃO SÃOCARLENSE

Enquanto aguardamos a palavra oficial do Conselho Municipal do Meio Ambiente da Prefeitura de São Carlos sobre os critérios e a metodologia usados pela respectiva Secretaria Estadual para elaborar o “ranking” ambiental dos municípios paulistas – que cometeu a proeza de classificar a capital muito à frente da nossa cidade - , registre-se o contundente pronunciamento do prefeito Oswaldo Barba, que ganhou destaque na imprensa local na última sexta-feira (04/12): “É triste vermos figuras políticas que tiveram papel destacado na degradação ambiental de São Carlos festejando esse ranking como se ele expressasse a verdade”.

MENSALÕES

Mais uma vez estarrecido com os escândalos das propinas que desta feita envolvem políticos do DEM, PSDB e PPS em Brasília e Minas Gerais, reafirmo o que disse por ocasião das denúncias que envolveram o meu partido: ou se promove uma verdadeira reforma política que inclua o financiamento público de campanha e rigor na prestação de contas ou continuaremos assistindo indignados a esses revoltantes espetáculos indefinidamente. Pela moralidade e ética na política ontem, hoje e sempre!

OBRIGADO PAUL SINGER

Paul Singer

Em mais uma admirável iniciativa do vereador Lineu Navarro, presidente da Câmara Municipal, São Carlos reverenciou um dos mais eminentes intelectuais deste país, o professor Paul Singer. Reproduzo aqui trechos da carta que lhe encaminhei e que foi lida na sessão solene da Câmara, realizada na última sexta-feira (04/12) na UFSCar.
”...Como professor da USP, sua notável contribuição acadêmica tem iluminado a literatura econômica e sociológica com raios de lucidez que desafiam o pensamento liberal e conservador, apontando caminhos que aliam desenvolvimento com sustentabilidade social. Como nosso mestre maior, você vem incentivando gerações de gestores públicos a adotarem políticas de renda ancoradas na fascinante, porque inclusiva, via da economia solidária. Foi assim que, sob sua orientação, introduzimos na UFSCar, na década de 90 o núcleo responsável pelas primeiras experiências de autogestão em nosso município... E foi assim que, inspirados em suas convicções, nosso governo implantou em São Carlos, a partir de 2001, a política pública de apoio e multiplicação das cooperativas populares, que graças à sua atuação junto ao Ministério do Trabalho no governo do presidente Lula, nos proporcionou a criação do Centro Público de Economia Solidária ‘Herbert de Souza – o Betinho’. Por tudo isso, muito obrigado. Tenha certeza de que é uma honra para todos os sãocarlenses o termos como nosso mais novo concidadão”.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

ESQUEÇAM O QUE EU FIZ

Madre Cristina foi uma religiosa doce e corajosa, que teve participação ativa na resistência à ditadura militar. Foi ela que, em 1963, conduziu José Serra, então estudante da Escola Politécnica da USP, à sua primeira disputa política: a Presidência da União Nacional dos Estudantes (UNE). A madre viveu o suficiente para ver seu pupilo voltar do exílio imposto pelo golpe militar de 1964 e brilhar na política nacional, mas não para vê-lo se eleger governador do estado mais rico do país: ela morreu em 1997, aos 81 anos de idade. Madre Cristina se decepcionaria ao ver o ex-líder estudantil mandando a tropa de choque para enfrentar manifestações estudantis na USP, em junho último, numa greve de funcionários da universidade. E ela também teria muita dificuldade de entender a recente decisão do governador tucano, de ignorar uma vontade majoritária da USP e nomear como reitor o segundo mais votado da lista tríplice do Conselho Universitário, o diretor da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, João Grandino Rodas.
Ao contrariar o desejo da maioria, Serra não feriu nenhuma lei, já que o governador não é obrigado a indicar o mais votado pelo Conselho Universitário. Isso posto, convém notar que o tucano quebrou uma tradição que vinha sendo seguida desde que os brasileiros recuperaram o direito de escolher seus governadores pelo voto direto, em 1982, quando foi eleito André Franco Montoro, homem conhecido pela tolerância e de quem, aliás, Serra viria a ser secretário da Fazenda. Antes de Serra, a última vez que um mandatário paulista ignorou solenemente o vencedor da lista tríplice da USP foi em 1981, em plena ditadura, quando o governador biônico (como eram conhecidos os mandatários que não eram eleitos diretamente) Paulo Salim Maluf escolheu como reitor da USP Antônio Hélio Vieira, o quarto entre seis nomes.
Em contraste com seu passado combativo, o governador Serra vem se mostrando pouco afeito ao diálogo com a comunidade universitária. Já em 2007, ele baixou um decreto determinando que os recursos orçamentários das universidades públicas estaduais deveriam ser sujeitos à liberação pela Secretaria Especial de Ensino Superior, controlada pelo próprio governador. Foi uma afronta à autonomia universitária, um status que havia sido arrancado pela ditadura militar e que foi reconquistado a duras penas no processo de redemocratização do país. Como os alunos ocuparam o prédio da Reitoria da USP em protesto, o governador acionou tropas da Polícia Militar para cumprir um mandado de reintegração de posse expedido pela Fazenda Pública. A situação só não se deteriorou porque a reitora Suely Vilela preferiu o caminho da negociação. E ela foi muito criticada por integrantes da entourage do Palácio dos Bandeirantes por não ter permitido que a polícia entrasse no campus.
Se o confronto foi evitado em 2007, em junho deste ano, infelizmente, voltamos a assistir cenas que não víamos desde os tempos dos “anos de chumbo”: a tropa de choque da Polícia Militar jogando bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha contra estudantes no campus da USP, que revidavam atirando pedras contra os policiais. Foi por ocasião de uma greve de funcionários que recebeu a adesão dos alunos. A paralisação teve fim depois de 57 dias, com o atendimento parcial das reivindicações dos funcionários. Mas o confronto poderia ter sido evitado se o governador tivesse mostrado mais disposição para o diálogo ou maior habilidade política para enfrentar a crise. É preciso reconhecer que, entre as virtudes de José Serra, não consta a de ser um hábil negociador.
Talvez o governador pudesse aprender com o professor Aloísio Teixeira, reitor da UFRJ. Em 1998, ele foi o mais votado para ocupar o cargo reitor, mas o então ministro da Educação, Paulo Renato – hoje secretário de Educação de José Serra –, não o indicou para o cargo. Em 2003, Teixeira foi novamente o mais votado e, desta feita, foi nomeado. Encontrou uma universidade em pé de guerra, mas soube pacificá-la sem precisar chamar a polícia. Em 2007, o professor Teixeira foi reeleito com 89% dos votos. Serra também poderia ter a humildade de aprender com o presidente Lula, que procura auscultar a comunidade acadêmica e faz reuniões periódicas com os reitores das universidades federais.
Mas não. Ao preterir o nome que tinha apoio maciço do Conselho Universitário, o do professor Glaucius Oliva, o governador agiu à maneira dos czares da Rússia, que baixavam ucases (decretos sumários) sem considerar os interesses da comunidade. É lamentável que alguém que um dia foi presidente da UNE e que tenha sido obrigado a se exilar pelos militares tenha chegado a esse ponto. É como se Serra dissesse: “esqueçam o que eu fiz”. Madre Cristina não merecia mesmo ter um desgosto desses.

sábado, 28 de novembro de 2009

UM PÉSSIMO PREFEITO

Janeiro de 2001. Corriam os primeiros dias do meu mandato, quando um servidor municipal, cujo nome não me recordo, abordou-me logo cedo na entrada da prefeitura. Desesperado, pediu-me para transferi-lo para outro setor porque não suportava mais tomar conta do prédio da piscina municipal, dominado por rapazes que à noite ali se drogavam. Não demorou muito para que o Bertinho, presidente da ABASC, me relatasse, aflito por uma solução, como gangues de jovens haviam tomado não só a praça da piscina, mas a dos Voluntários e a que fica ao lado do poço artesiano do SAAE no centro, transformando aquela região em uma cracolândia sãocarlense.

Conto esses episódios apenas para ilustrar uma realidade que era visível não só na Baixada do Mercado, mas que se espalhara por toda a cidade. Nossas crianças e adolescentes estavam abandonados. Quem não se lembra dos flanelinhas da praça XV, das crianças pedindo esmola nos cruzamentos e de rapazes que se amontoavam nas portas dos restaurantes para implorar um prato de comida?

Era preciso enfrentar com urgência essa gravíssima situação. Pedi à Rose Mendes, vice-prefeita e secretária de Cidadania; ao Carlos Martins, secretário de Governo; e ao Ricardo Martucci, secretário de Desenvolvimento Urbano; que analisassem o problema e suas causas e apresentassem soluções articuladas nas dimensões econômica, social e ambiental. Ela, porque conhecia a fundo o assunto, uma vez que, como militante de movimentos sociais, dedicara sua vida à lutar pelos direitos das crianças e dos adolescentes e também contra o descaso do poder público até então.

Eles, arquitetos e professores da USP São Carlos, para contribuírem com soluções que minimizassem a violência e revertessem o processo de degradação urbana até então em curso em nosso município.

Com a marca do governo participativo, foram ouvidas autoridades e especialistas, com destaque para o Padre Agnaldo, dos Salesianos, outro expoente da mesma causa que, revoltado com a forma com que eram tratados os meninos em conflito com a lei, idealizou o nosso premiado NAI, levando do papel para a prática as medidas sócioeducativas estabelecidas no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Nasciam ali, pela primeira vez na história da cidade, duas políticas públicas interligadas, exitosas e premiadas: o Plano Municipal Integrado de Segurança Pública e uma rede de proteção e promoção da infância e da juventude, materializada em programas de inclusão econômica e geração de oportunidades educacionais, profissionais, esportivas e culturais, respaldados em decisões dos respectivos conselhos municipais.

Com a eleição do presidente Lula, nossas ações locais ganharam maior abrangência, superando as limitações do erário municipal e permitindo que perenisássemos a priorização de recursos para a área com aprovação, na Câmara, do Orçamento da Criança e do Adolescente (OCA).

Por tudo isso, compartilho com toda a minha equipe, vereadores comprometidos e os atores da sociedade civil envolvidos, o reconhecimento que São Carlos recebeu no estudo realizado pelo Ministério da Justiça e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Termos conquistado, com dados de 2006, o menor índice de vulnerabilidade juvenil do país, nos orgulha e emociona. Associado à menor mortalidade infantil do estado de São Paulo em 2008, então, dá sentido e coroa nossa vida pública. Nada mal para quem, nas palavras do nosso despeitado governador, foi um “péssimo prefeito”.

sábado, 21 de novembro de 2009

CESAR MAIA TEM RAZÃO

Para não servir de pretexto para que o governador Serra privasse São Carlos de investimentos, engoli muitos desaforos desde o início da sua gestão. Mais do que isso, na esperança de que ele fosse um estadista e pudéssemos juntos trabalhar as demandas do município, deliberadamente não dei publicidade ou ecoei as destemperadas e grosseiras atitudes do governador contra mim. Mas paciência tem limite, sob pena de capitulação. Como continuar quieto quando, mesmo eu não sendo mais prefeito, o governador novamente me insultou e difamou como o fez em Porto Ferreira no último dia 13?


Pensando sempre e acima de tudo em nossa cidade, lutei 24 meses em vão por uma audiência. Diferentemente de seu antecessor Geraldo Alckmin, que despachava regularmente comigo, tratava-me cordialmente e se esforçava para atender nossas reivindicações, redundando em vários projetos exitosos para nosso importante município, Serra jamais me recebeu. Pior, na única oportunidade que sua excelência se dignou a me ouvir – 11 meses após sua posse e dentro da van que nos transportava do aeroporto até o palanque montado em frente ao malfadado Trevo do Tangará/Fagá - Serra repeliu aos berros o pedido de não construção de uma unidade de internação da Fundação Casa em São Carlos, que eu apresentava em nome da maioria esmagadora das forças políticas e sociais da cidade (incluindo, naquele momento, o próprio PSDB municipal).


Mesmo assim, apesar de perplexo e aborrecido, dei-lhe as boas-vindas, discursei respeitosamente e ofertei-lhe um conjunto de presentes relativos ao nosso sesquicentenário. Ele, de forma mal educada, não agradeceu os mimos recebidos em seu discurso.


Seguiram-se, após este episódio, quatro outras manifestações agressivas de Serra contra mim no ano de 2008, a saber: aos desembargadores do Estado, na abertura do ano jurídico (11/02); na inauguração da unidade da FURP em Américo Brasiliense (30/06); na cerimônia de assinatura do contrato de aluguel do galpão do Poupatempo em São Carlos, quando cassou o direito à palavra da autoridade máxima do município (07/08); e pouco tempo depois no calçadão da General, quando meteu o pau no Hospital-Escola e mentiu ao afirmar que eu não dava dinheiro para a Santa Casa.


Fico me perguntando que importância tenho eu para ser alvo de tanta ira. Acabo achando que o ex-prefeito do Rio de Janeiro Cesar Maia, que é do DEM e aliado político do nosso governador, tem razão quando na semana passada chamou Serra de caudilho.


Faz 11 meses que o prefeito Oswaldo Barba está tentando uma audiência com o governador. Você, leitor, acha que isso vai acontecer? Da minha parte e para o bem da nossa cidade, torço para que sim, porque a exemplo do que faz o presidente Lula, inclusive com o próprio Serra, esse é o jeito republicano e eficaz de governar.